Estereotipia / Automatismo: O bisneto da dona Diva

Dona Diva, após um AVC, viveu vários anos em uma instituição geriátrica. Foi lá que eu a conheci. Era uma senhora elegante que gostava muito da companhia das pessoas. Além da afasia, o AVC trouxe também a hemiplegia de membros superior e inferior direitos. Algumas atendentes da instituição se referiam a ela como poliqueixosa, ou seja, aquele doente que tem sempre alguma queixa, geralmente de dor, em várias partes do corpo. Mas como a vida tem sempre seus paradoxos, dona Diva, que tinha muita dificuldade para falar, conseguia produzir de forma bastante clara e bem articulada a seguinte expressão: Não me dói. A riqueza da entonação de sua fala (prosódia) – associada com gestos e com a escrita no ar – fazia com que esse automatismo Não me dói ganhasse outros sentidos e significações em situações de interação.

Os automatismos são geralmente considerados como elementos linguísticos constituídos de apenas alguns fonemas, de palavras ou de expressões que o afásico consegue produzir repetidas vezes de forma aparentemente automática. Os automatismos podem ter um sentido, ou seja, ser uma palavra ou léxico da língua, ou podem não fazer sentido algum, constituindo-se, por exemplo, pela repetição de fonemas ou de grupos de fonemas. Assim, expressões como Ai minha Nossa Senhora, Meu Deus do Céu, O senhor faça o favor, Puta merda, Esse esse, Essái essái, Dé dé dé, são ESTEREOTIPIAS ou AUTOMATISMOS que o afásico usa para construir o sentido.

Dona Diva recebia visitas frequentes de sua família. Do filho Carlos vieram os netos e depois um bisneto. Usando vários recursos além do automatismo Não me dói, é ela quem nos conta como sua família foi crescendo ao longo dos anos.

ESTEROTIPIA/ AUTOMATISMO: O BISNETO DA DONA DIVA


Clique nos links abaixo para conhecer outros afásicos.

» Parafasia lexical: O almoço de Farid 
» Jargonafasia: Braulio Gonçalves 
» Confabulação: A história de Sergio Toscano 
» Anomia: As faxineiras de Heloisa

 

Voltar ao Topo